Sobre as cores das flores

E que não se fale nos aromas, que algumas vezes são muito doces, e algumas vezes são fortes demais, e algumas vezes não existem. 

Mas as cores, meus caros, são sempre exatas, de uma maneira meio louca. Estão sempre no tom correto, e nunca – nunca! – são agressivas. E as cores são as únicas que sempre existem, mesmo que não existam na teoria.

Então não, não te ofereço flores. Não te ofereço nada que já esteja morto ou morrendo, meu amigo, meu querido. Não te ofereço nem em vaso, nem plantada, pois essa seria triste e precisaria de atenção. Te ofereço sim as cores, eternizadas. As cores de cada flor que plantei no seu coração vão te acompanhar enquanto você puder lembrar, enquanto você puder ver.

As flores que você me dá, meu amigo, eu guardo em livros, que são palavras e me acompanham também. As flores que eu te der serão nossas memórias – guarde-as com carinho! Um dia, quem sabe, nossas flores sem espinhos e sem flores voltem a se cruzar. Até lá, eu vou me lembrar de te lembrar.

Eu vou espalhar suas flores.

Anúncios

Um comentário sobre “Sobre as cores das flores

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s