Moving on

Esse post é mais como um desabafo. Só preciso por pra fora. Então pre-pa-ra.

Algumas (muitas) vezes, alguns esforços que fazemos são completamente vãos:

Nos esforçamos pra confiar e somos traídos;

Não nos esforçamos (porque não é esforço algum, é de coração) pra dar a mão e passam a nos odiar.

Sendo bem honesta, poucas pessoas me deram o benefício da dúvida ao longo da minha vida. “Você fez?”. “É verdade?”. Ah, as coisas que ninguém pergunta. Ah, as coisas que todos presumem.

Sei que há algum tempo tem gente tentando puxar meu tapete de N formas (e também por isso deletei o ask) mas sempre estive disponível pra conversar com quem tivesse algo contra mim e sempre deixei isso claro. Acima de tudo, mostrei com ações (ignoradas) que não sou uma pessoa ruim.

Infelizmente não consigo provar a todos que não sou ruim, e vira e mexe alguém simplesmente me odeia sem eu nem fazer ideia do motivo (sério. Sem a menor pista.), e acho que a vida é assim e eu que devo me acostumar. Isso me deixa triste e frustrada, porque parece que nunca serei boa o suficiente. Mas mesmo triste e frustrada, eu desisto.

Desisto de tentar desesperadamente apoiar as pessoas porque eu realmente gosto delas.

Desisto de confiar. Sabe aquela sala de aula bagunceira onde os quietinhos tem que fazer redação porque o resto não se comportou bem? Pois é. Não confio mais nem na minha sombra.

Desisto de tentar convencer as pessoas que, por mais que eu tenha um gênio meio complicado, sou boa, e a maioria das pessoas sabe.

Desisto de me expor e me humilhar pra procurar respostas de coisas que eu não fiz, esclarecer coisas que nem sei que disseram.

E farei de tudo pra desistir de me importar quando alguém, esporadicamente, encasqueta com o meu caráter. Então, a partir de hoje, quem quiser achar algo, sinta-se livre feito uma mariposa em céu de lua!

Se eu ofendi alguém ou fiz alguma burrada no passado (e deve ter sido um passado deveras distante, porque honestamente I’m easy like a Sunday morning há mais tempo do que posso contar), que fique minhas desculpas.

Não devo nada a ninguém, minha consciência está limpa. Desejo que todo mundo seja feliz (juro). E, quem tiver alguma satisfação pra tirar, que venha até mim, continuo um poço de fofura (que a maioria sabe que sou). Mesmo. Não terei problemas em conversar. Mas que venham até mim.

Porque do meu lugar não saio mais… por ninguém. And besides I’m moving on. 

Anúncios

2 comentários sobre “Moving on

  1. aboutpedro disse:

    ‘Never compromise. Not even in the face of Armageddon.’

    A gente pode passar a vida inteira se fodendo pra tentar ajudar os outros, pode fazer o diabo pra ser uma boa pessoa, mas no fim das contas não importa: sempre tem alguém querendo te ver pelas costas. Não tem como vencer.

    O que a gente tem que fazer diariamente é um esforço consciente para não abrir mão das nossas próprias convicções, do que a gente acha que é certo e bom. Os nossos, os que amamos, estarão do nosso lado mesmo nos piores momentos. O resto acaba virando ruído branco. Não desanima, Ada. Você tá fazendo tudo certo.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s